enxerto gengival1 enxerto gengiva2 enxerto gengiva3
A gengiva, apesar de ficar "acima do dente", chama mais atenção do que deveria se não estiver em condições ideais. Para deixá-la esteticamente ideal e no seu devido lugar, você pode recorrer a tratamentos que aumentam, diminuem e até alteram a coloração dessa parte importante do sorriso.

QUAL A IMPORTÂNCIA DA GENGIVA NA ESTÉTICA?

A gengiva é mais do que a moldura dos dentes, é ela quem os sustenta, juntamente com os ossos que fixam os dentes e os mantém no lugar, além de ajudar a embelezar o sorriso. Tem que ser saudável e estar esteticamente bonita. Porém, a gengiva tem alguns vilões: fatores genéticos, étnicos e má higiene podem influenciar de maneira negativa, deixando-a grande ou retraída demais e com a coloração alterada.


O QUE CAUSA A RECESSÃO GENGIVAL (RETRAÇÃO)?

Uma série de fatores podem causar a retração, os principais são a doença periodontal e o trauma de escovação, se destacando o excesso de força aplicada na escova de dente.  


COMO POSSO CORRIGIR ESSES PROBLEMAS?

Três diferentes tipos de enxertos de tecidos podem ser realizados para o recobrimento da retração gengival. As técnicas mais utilizadas são:


Enxertos de tecido conjuntivo: essa é a técnica mais usada para tratar o aumento de volume gengival e a exposição da raiz. A região mais indicada como doadora do enxerto é do céu da boca, o palato.  Durante o procedimento, a camada mais superficial da gengiva do palato é erguida, permitindo a remoção de uma camada subjacente a esta, chamada de tecido conjuntivo subepitelial. Uma vez removido o tecido conjuntivo, ele é posicionado e estabilizado através de pontos de sutura sobre a área exposta da raiz. Depois de realizado o enxerto, a camada superficial de gengiva do palato é reposicionada e suturada, permitindo o fechamento total da ferida.  

Enxertos gengivais livres: semelhante a um enxerto de tecido conjuntivo, o enxerto gengival livre também tem como área doadora a região do palato. No entanto,  há a utilização da camada mais superficial de gengiva para o recobrimento radicular. Essa técnica é mais indicada nos casos de recobrimento da raiz, sem ganho de volume gengival.

Enxertos pediculados: esse procedimento é mais indicado para pequenos recobrimentos, pois o tecido que recobre a raiz é proveniente da gengiva do dente adjacente. Pequenas incisões são realizadas na porção mais superficial e epitelial da gengiva, próxima à área a ser recoberta, e, então, é realizado um movimento de rotação e deslocamento do tecido, recobrindo a exposição da raiz.

QUAIS OS OBJETIVOS DA CIRURGIA?

Este tratamento tem a finalidade de restabelecer a normalidade da posição da gengiva e evitar outros problemas como: hipersensibilidade dentinária, risco de cárie de raiz, lesões de abrasão e erosão e a maior predisponibilidade a acúmulo de placa bacteriana.


COMO É A RECUPERAÇÃO E A DOR PÓS-OPERATÓRIA?

As técnicas mais recentes oferecem resultados bastante satisfatórios e estéticos, proporcionando um pós-operatório com pouquíssimo desconforto ao paciente. De um modo geral, o paciente já pode trabalhar no dia seguinte à cirurgia, desde que siga as orientações do cirurgião-dentista e tome a medicação prescrita, além de evitar esforços físicos e traumatizar a região operada.